sexta-feira, 27 de março de 2015

Bangkok - Grand Palace (Buda de Esmeralda), Wat Pho (Buda Reclinado), Kao San Road e Sirocco




Navegando pelo Rio Chao Phraya


Começamos nosso dia pelo Grand Palace. Pegamos o BTS até o píer Central e de lá um barco até o Palácio. Optamos pela linha turística, que vai mais devagar. Ela é mais cara. Existem mais 4 linhas (elas são reconhecidas pela cor da bandeira) e o preço varia de acordo com a distância. Você identifica o píer de desembarque pelo número dele no mapa. Atenção que a letra N e S antecedem o número, determinando se o píer fica ao sul ou ao norte do píer Central (0). Pagamos 40BTH para ir do píer Central (0) até o N9. Tem um bilhete de dia inteiro por 150BTH.




Grand Palace (Buda de Esmeralda)

Chegando no destino basta seguir o fluxo. Na entrada eles já verificam se sua roupa está adequada (ombros cobertos e roupa até o joelho). Se não, você pode comprar nas lojinhas do outro lado da rua ou alugar na entrada do próprio palácio. Seguindo direto você vai ver uma placa indicando o templo à esquerda. O ingresso custa 500BTH e dá direito a visitar outros museus indicados no bilhete, por isso vale a pena guardá-lo.

Entrando na área do templo, o Buda de Esmeraldo, que na verdade é de jade, fica no prédio em frente, mas com acesso na lateral. Os sapatos ficam do lado de fora, pois se trata de um local sagrado, destinado à oração. Esse prédio possui um trabalho lindo de madrepérola nas portas.




Do lado esquerdo de quem entra há três prédios importantes: uma stupa dourado (também chamado de chedi, trata-se de uma espécie de monumento relicário onde se guarda os restos mortais de Buda ou outra pessoa importante no budismo), a biblioteca e o Panteão. Estes só podem ser visitados por fora. Também há uma miniatura do templo cambojano de Angkor Wat nessa área. Parece que é para relembrar que o país vizinho já pertenceu à Tailândia. 








Saindo do templo entramos na área do Palácio destinada a atividades administrativas. Possui três prédios grandiosos, mas com apenas uma sala aberta ao publico em cada um. Achei meio sem graça por dentro, mas o exterior é interessante. 
No fim tem um café bem simples. A saída é pelo mesmo portão de entrada. Aqui acabamos nos perdendo, pois queríamos ir para o Templo do Buda reclinado (Wat Pho), que é ao lado, mas acabamos indo no sentido oposto e entrando em uma rua supermovimentada cheia de camelôs nas calçados. No fim conseguimos voltar para a entrada do Grand Palace e descobrimos que ao sair dele era só pegar à esquerda e depois esquerda de novo e seguir o muro do Palácio que margeia o rio. Após 10min de caminhada chegamos. 


Wat Pho (Buda Reclinado)

Esse templo é conhecido por ter o maior Buda Reclinado de Bangkok (43mX15m). Ele é todo folheado a ouro e tem os pés trabalhados com inscrições em madrepérola. Você pode comprar um pote de moedinhas para colocar como oferenda nos 108 potes de metal que ficam atrás do Buda. Dizem que dá sorte. Claro que deixei lá minhas moedinhas. 



Atrás do templo há varias stupas decoradas e uma grande coleção de imagens de Buda. Ao fundo do terreno fica a escola de massagem mais antiga da Tailândia. Fomos lá conferir. Pagamos 220BTH cada um por 30 min de massagem pelo corpo todo. Você pode escolher só nos pés. Aprovado!


Kao San Road - a rua dos mochileiros

O próximo destino seria o belíssimo templo de Wat Arun (Temple of Dawn) que fica do outro lado do rio. Basta pegar um barco que cruza o rio por 3BHT. Mas ele estava em obra e não tínhamos mais tempo. Então pegamos o barco no píer em frente ao Wat Pho e fomos para a Kao San Road, famosa rua dos mochileiros. Como não tinha quem vendesse o bilhete, acabamos viajando de graça. Saltamos no píer N13. Achei as coisas mais baratas por lá. 



Após dar uma volta e fazer uma massagem nos pés (custava 120BHT por meia hora ou 200BHT por 1 hora), voltamos para hotel. Os barcos só funcionam até 19h30. Tivemos que pegar um táxi. Só conseguimos um que ligasse o taxímetro depois que uma moça tailandesa com pena da gente (foram varias tentativas) chamou o táxi e negociou. Realmente isso é um problema aqui. 


Sirocco Sky Bar

À noite fomos tomar um drink no Sirocco, o Sky Bar que aparece no filme Se Beber não Case 2. Ele fica no todo do hotel Lebua. Realmente o lugar é lindo e a vista arrebatadora, mas é carinho. Ele também funciona como restaurante. A parte boa é que não há entrada ou consumação mínima, você pode subir só pra curtir o visual.

Essa cúpula amarela é visível lá da rua.
Um drink nas alturas.


Visual da área externa do restaurante
Fomos de BTS e a caminhada até o hotel onde fica o bar passa por lugares mais ermos, mas não nos sentimos inseguros. Resolvemos voltar de tuktuk. O motorista queria 100BTH. Oferecemos 50BTH e ele aceitou. Dá pra negociar. O motorista colocou pra tocar uma música eletrônica, ligou umas luzes coloridas e andava feito louco. Não sei se foi o drink ou o nervosismo, só sei que a gente ria muito e ele também. Nos divertimos muito nesse dia.









Nenhum comentário:

Postar um comentário