sábado, 6 de fevereiro de 2016

Serra Catarinense - o que ver e fazer


Coloquei no mapa abaixo os principais pontos turísticos, restaurantes e o hotel em que ficamos.



Atrações que visitamos

Morro da Igreja e Pedra Furada - com 1840m é o ponto mais alto da região sul do país. Ficou famoso por ter registrado a temperatura mais baixa do Brasil, -17C. Antes de ir você precisa pegar uma autorização no IBCM que fica na rua atrás do Banco do Brasil (não tem erro, ele fica na rua principal). Fique atento ao horário de funcionamento: 8h ás 12h e 13h ás 16h (fecha para almoço).  A autorização é para o mesmo dia ou para o dia seguinte. 



Enfrentamos uma fila de uns 20min para subir o morro, pois há um limite de carros lá em cima. Só subia um carro quando outro descia.  Parece que isso é normal nos fins de semana, feriados e durante o inverno. 

Fila para entrar no parque.
São 15 km de subida em uma estrada estreita cheia de buracos.

Passou desse ponto, pode seguir morro a cima!

A estrada é de mão dupla e mal conservada.

Do alto do Morro da Igreja você avista a Pedra Furada. Infelizmente não conseguimos ter aquela visão clara das fotos de revista. Quando chegamos estava tudo encoberto pela névoa. Uma decepção. Apos meia hora começou a abrir um pouco e avistamos a famosa pedra.

Demorou mas apareceu.


Serra do Corvo Branco – o que torna esse local especial é o grande corte que se fez no meio de uma rocha altíssima, criando um efeito visual espetacular. Ela tem esse nome, segundo dizem, porque na região é comum se avistar um pássaro com penas brancas chamado Urubu Rei, que foi confundido pelos moradores com o corvo. A estrada leva à cidade de Grão Pará e serve de caminho alternativo para as praias do sul do estado.  Não sei se alguém teve essa dúvida, mas quando eu lia sobre esta serra e a do Rio do Rastro, eu ficava pensando se o passeio era descer a serra ou só olhar. No caso da Serra do Corvo Branco você não terá escolha, pois ela está interditada para obras.  Ela fica um pouco distante do centro de Urubici, sendo que 7 km do caminho não tem asfalto e alguns trechos estão ruins, mas dá pra chegar com um carro comum. 

A sensação era que estávamos fora do Brasil diante da perfeição da estrada e do visual.
O visual da estrada já vale o passeio.
O projeto de engenharia é impressionante e o visual que se vê da descida da serra já vale a viagem.

Uma obra de engenharia e tanto.

A estrada vista daqui impressiona.


Cachoeira do Avencal – localizada dentro de uma propriedade particular, você paga uma pequena taxa para entrar. Há dois mirantes para observação e não há acesso à base da cachoeira. Eles têm uma tirolesa que passa por cima da queda d’água.



Dica: Em um outro ponto da estrada você verá uma placa indicando um pequeno sítio arqueológico onde foram encontradas algumas inscrições pré-históricas. Sinceramente, não achei o lugar muito interessante, por isso nem indico aqui, mas dali se vê a cachoeira o Avencal ao longe e havia uma placa informando sobre uma trilha para lá. Pode ser interessante. 

Serra do Rio do Rastro – uma das atrações mais famosas. Outra obra de engenharia fabulosa, uma estrada sinuosa entre serras com paisagens verdejantes e grandes paredões de pedra. Logo no início tem um mirante com lojinhas e restaurante. Nós só ficamos por aqui, não tivemos disposição para descer a serra.  A pista é estreita e alguns trechos têm curvas tão fechadas que muitas vezes um carro tem que parar para o outro passar. Do mirante a gente vê isso.




Vinícola Villa Francioni – a mais famosa do Serra Catarinense. Os especialistas dizem que ela não produz os melhores vinhos da região, mas com certeza é a mais bonita. A visita pode ser agendada no site e o pagamento é feito na hora. O valor serve de crédito na loja da vinícola. Você conhece um pouco das instalações da vinícola, assiste a um filme contando sua história e termina com a degustação de alguns vinhos.


Sede da Villa Francioni.

Atrações que gostaríamos de ter visitado

Cachoeira Véu da Noiva – fica bem na entrada do Morro da Igreja. Fica em propriedade particular com acesso pago.

Tour guiado aos cânions da região – queríamos muito ter feito esse passeio, mas não tivemos tempo. Ele só pode ser feito com guia. Procure uma agência de viagem no centro de Urubici.

Morro do Campestre – fica localizado em uma propriedade privada. Acesso pago (R$5,00). A estrada é muito ruim, por isso não se aconselha ir com carro sem tração 4x4. Talvez seja melhor pegar um tour. Foi outro lugar que não tive tempo de ir. Dizem que a vista do ponto mais alto é deslumbrante. 

Rio Sete Quedas – esse passeio segue por uma trilha que leva a sete pequenas cachoeiras. Pelo que li, o caminho passa pelo rio, por isso só seria aconselhável no verão. O trajeto leva em torno de 3hs ida e volta. Ele fica em um sítio que trabalha com agroturismo, recebendo visitantes que queiram se hospedar no local. Parece que o passeio inclui um café da tarde. Caso se interesse, dá uma olhada nesse site.

Cavalgadas – muito comum na região. Basta pedir indicação no hotel.

Passeios de bicicleta – há diversas rotas passando pelos vales e montanhas da região. Vi vários grupos de ciclistas pelo caminho. Informe-se nas agências do centro.

Snow Valey - parque com tirolesa e circuito de arvorismo.

Outras vinícolas com degustação:

Monte Agudo - eles oferecem refeições harmonizadas. Marquei uma degustação ao pôr do sol, mas no dia choveu muito e acabamos desistindo. Uma pena! Muito bem recomendada. Só atendem com reserva (vinhedos@monteagudo.com.br).

Vinícola Bassetti - também não conseguimos ir, mas li ótimos comentários. Parece que é uma vinícola menor, muito bonita, pessoal atencioso e com bons vinhos. Reserva e preço no site.

Sanjo - mais famosa pelo suco de maçã do que pelos vinhos. Atendem com reserva. Fone: (49) 3233-7348 e-mail: loja@sanjo.com.br.

Restaurantes que recomendamos

Urubici

Parador Santo Antônio - especializado em carnes na brasa. Você escolhe a carne, ou pode ser uma truta, e os acompanhamentos. Os pratos são individuais, mas a própria atendente nos sugeriu que dividíssemos. Pedimos uma salada de entrada e comemos bem. A comida estava excelente. O local é agradável, ótimo atendimento e preço justo.  Fica na estrada que leva ao Morro da Igreja e à Serra do Corvo Branco, por isso é legal almoçar lá antes ou depois desses passeios.





Lunali Bistrô - comandado por um casal jovem, ela é a chef e ele atende às mesas, é um lugar simples e aconchegante. A especialidade são as massas e hambúrgueres, mas comi uma truta com salada e gostei. Carlos comeu o hambúrguer e aprovou. Tem carta de vinhos e cervejas artesanais (isso é frequente aqui). O melhor custo-benefício da viagem. Só tenha paciência, porque a comida demora um pouquinho.

Chateau du Valle - fica na estrada SC 110. O lugar é muito bonito, ambiente agradável e com pratos mais elaborados. A especialidade são as massas. Comida boa e atendentes muito simpáticos. Não é barato. É para um jantar mais requintado.

Bar Serra Azul - fica na rua principal no posto de gasolina mais próximo à igreja. É fácil de achar, pois o caixa fica dentro de um carro antigo. Ele é todo decorado com peças de automóveis. Super original. Bom para um lanche ou drink no fim da tarde.

Tempero da Montanha – não tivemos a oportunidade de ir, mas ele foi tão elogiado que resolvi indicar aqui. Acho que só serve jantar.  É um casal, Líria e Caciana, que resolveu receber os hóspedes dos hotéis próximos para um jantar bem informal em sua própria casa. Você paga pelo menu com entrada, prato principal e sobremesa. Não há cardápio, só a opção do dia. Se você não gostar de surpresas, antes de reservar, ligue pela manhã para saber o que elas vão servir. A reserva é obrigatória.

São Joaquim

Restaurante do Bosque - ambiente agradável, lindamente decorado, ótimo atendimento e comida saborosa. Boa carta de vinhos e cervejas. Um pouco caro, mas condizente com o que oferece.




Bistrô Bacco – inaugurado em fevereiro, fica dentro da Villa Francioni. Falamos com algumas pessoas que foram e todas gostaram. Parece que só atende com reserva. Bom dá uma olhadinha no site antes de ir.

O que comprar: vinhos, doces e geléias da região.

Dica: o melhor lugar para comprar vinho é na Casa do Vinho em São Joaquim, pois eles possuem uma grande variedade de rótulos da região e o melhor é que praticam um preço inferior ao das vinícolas. Compramos o rosé da VF por R$50,00 com eles e na vinícola estava R$55,00. Eles têm uma sala profissional de degustação onde você pode ter uma pequena aula e provar alguns. Além disso, destaco a simpatia do pessoal que trabalha lá. Passamos pela loja na 3a feira de Carnaval quando já estava fechada. Um casal de funcionários, que estavam terminando um trabalho lá dentro, nos viram e abriram a loja só pra gente. Atendimento nota dez!


Atente ao horário!

A loja é bem abastecida com vários rótulos das vinícolas da região.

Área destinada à degustação.



Dica para quem gosta de vinho: os vinhos de Santa Catarina ainda não entraram no mercado nacional como os vinhos da Serra Gaúcha, por isso muitas vinícolas são totalmente desconhecidas para a maioria de nós. Por isso pedi ajuda à uma amiga que entende muito do assunto, a Ana. Em seu blog, o Vinhos e Lugares, ela dá excelentes dicas e relata um tour que fez pela região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário